Boas Vindas !

Se procurar bem você acaba achando
Não a explicação (duvidosa) da vida.
Mas a poesia (inexplicável) da vida.


Carlos Drummond de Andrade.



Quem sou eu

Minha foto
Rio Claro, SP, Brazil
TEREZA CRISTINA BATTISTON,brasileira, psicóloga graduada pela Puc de Campinas em 1974, CRP-06/2050. Gosto de música e poesia, amo Saude Mental. Este sentir é o que apresento aos que procuram encontrar-se emocional, afetiva e psicológicamente. Sou psicoterapeuta de adolescentes e familiares, adultos e casais.

Buscar no Blog

21/11/2011

VIOLÊNCIA DO ESTUPRO


            Tornou-se lugar comum, notícias que denunciam estupros, seguidos ou não de mortes. Os noticiários vão perdendo a força emocional, para darem conta simplesmente, de dados estatísticos. Uma vida, com dores, alegrias, dificuldades grandes ou pequenas, ou só de facilidades, sei lá....de repente, uma pessoa chega, subjuga esta menina, adolescente ou mulher, e por sadismo puro, transforma sua vida num inferno que será presente em sua memória, enquanto ela viver.Ou subjuga um garotinho, um adolescente, um homem... o estupro não é prerrogativa feminina.Nem só de pessoas jovens. Pasmem mas existe relato de estupro, de uma senhora de oitenta e cinco anos ! ! !  nos arquivos do CAISM, na Unicamp.           

            Como mulher não consigo imaginar como, às custas de quanto esforço mental, psicoterapias e tratamentos outros, uma pessoa consegue se refazer da violência de um estupro.É uma invasão nojenta.Já ouvi também, quando o ato covarde foi cometido contra uma prostituta, “que estavam fazendo muito alarde, quando na verdade esta era a vida que ela levava”. Mas naquele caso, naquele momento, em relação aos homens presos pelo crime, ela havia dito não.Ela disse “NÃO”. “Não” é uma negativa, significa que não existe concordância com algo que é dito, planejado, executado, seja o ato que for. Não é não, e pronto. Uma prostituta tem o mesmo direito de qualquer outro ser humano, de negar-se a ter relacionamento sexual, com alguém que não queira. Neste caso, ela foi castigada com muita humilhação e dor. Vários rapazes se revezaram no ato monstruoso que quase a matou.

           Dizem que ao dar entrada no sistema penitenciário, um estuprador é castigado à moda dos que estão detidos. Isso é também lamentável, principalmente porque não  apagará as lembranças de quem sofreu violência sexual, juntamente com espancamento e outras torturas que lembram, em detalhes puro sadismo. Interessante: para muitas pessoas, o sado-masoquismo é tido como fonte de prazer.Mas é opção. Esta é a diferença fundamental.De uma pessoa estuprada foi retirado o direito de escolha.Todos os direitos.

           Mulheres casadas são estupradas, diariamente.E a pergunta que fica para mim, é pertinente ao  marido de cada vítima: como fica a cabeça desse homem, que pensa no que outros homens fizeram com sua mulher?Vamos admitir francamente, que no primeiro momento é claro que vem o socorro, correr com todos os procedimentos médicos e legais necessários.Mas depois, como ele sente o fato de que, além dele sua mulher (a esposa) foi vista, foi violentada, sentiu horrores e dores, mas foi de outros homens mesmo contra sua vontade! E ainda existe o fato de que os próprios maridos , podem ser os estupradores. Sim, os maridos. Não é porque os dois assinaram um papel, que isso torna o homem, senhor e proprietário da mulher. Se depois de uma discussão, por exemplo, o marido desejar sexo e diante da recusa da esposa ele forçar a relação, também aí teremos um estupro.

            A pergunta que fica no ar: por que o bicho-homem estupra, e os ditos animais irracionais, não fazem isso?



                                                    Tereza Cristina Battiston
                                                     Psicóloga – CRP – 06/2050/graduada pela Pontificia Universidade Católica de Campinas, em 1974.
                                                     F=(19) 3023-3934/ 9786-8663/
                                                   



         

Nenhum comentário: